quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Na Tribo dos Maníacos

Saudade é um sentimento estranho. Vem de repente, sem dar aviso. Dia desses, me peguei saudoso de uma banda americana surgida lá nos anos 80. Chamava-se 10,000 Maniacs e tinha uma vocalista doce, inteligente e sensível. Essa moça, que atende pela graça de Natalie Merchant, continua na ativa, mas lança discos com um espaço de tempo cada vez maior.

Os Maniacs surgiram no início da década de 1980 e, ao lado de bandas como R.E.M., Hüsker Du e The Replacements, protagonizaram o movimento que viria a ficar conhecido como college rock. O nome do movimento fazia referência a bandas que muitas vezes nasciam em campus universitários e que eram divulgadas por fanzines e rádios comandadas por estudantes.

No final da década, o R.E.M. se tornou mundialmente conhecido, assinou contrato com uma grande gravadora e escancarou as portas do mercado para nomes como Nirvana e Pearl Jam. Mas isso já é outra história...

O 10,000 Maniacs nunca atingiu o mega-estrelato, mas marcou os corações das poucas pessoas que o conheceram.

Para mim, eles gravaram 3 discos excelentes: In My Tribe (1987), Blind Man’s Zoo (1989) e Our Time In Eden (1992), sendo que este último chega perto da perfeição. A bela voz de Merchant conduz o ouvinte por canções que podem ser lidas como microcontos. Tudo com o elegante instrumental que atualizava a folk music americana, com toques de reggae, pop e música clássica.

Não consigo pensar em nenhum grupo depois deles que soe tão honesto e verdadeiro. É por isso que, vez ou outra, vem aquela saudade boba.

É aí que somente a voz inesquecível de Natalie, cantando Don’t Talk ou Jezebel, pode me trazer algum consolo...

7 comentários:

Eduardo Santos disse...

Olá amigo.De passagem para fazer uma visitinha, deparo com as suas habituais recomendações de boa música. De facto, há música que é perfume para os nossos ouvidos, assim o saibamos apreciar. Um bom fim de semana.

Leonardo Pinto Silva disse...

Atóron!

Elisa Bezerra disse...

ainda não conheço.vou ouvir assim que estiver com um pc que tenha caixa de som.

Dead Lindsae disse...

Eu adorava a voz da Natalie!
Que afinação, delicadeza...
Por isso sempre fico feliz quando me comparam á ela.
Belo post!

Graça Pereira disse...

Há música que não passa de moda e trás saudade mesmo.
Um beijo e boa semana Graça

gentil carioca disse...

E como é bom voltar ao passado, não é?
E a música é o melhor caminho para isso.
Eu a do ro!

Salsa disse...

Tinha uma amiga que adorava essa banda. Não mais a vi. O som não é bem minha praia, mas tem bons momentos.
Abraços,