terça-feira, 13 de abril de 2010

Carta a Noemia

Cara Noemia,

Não sei se você se lembra de mim, mas lá pelos idos de 1981, 1982 eu era a sua Dora.

Explico-me: Dora é a personagem interpretada por Fernanda Montenegro em Central do Brasil, uma professora aposentada que engorda a mirrada pensão escrevendo e lendo cartas para iletrados que passam diariamente pela Central do Brasil, no Rio de Janeiro. Pois bem: eu era a sua Dora.

Você trabalhava como babá de uma criança de aparência angelical e comportamento de capeta chamada Filipe. Quando não estava correndo como uma louca atrás de Filipinho, você assistia à sua televisão em preto-e-branco, ouvia músicas no rádio portátil e se correspondia com seus parentes no Norte e com seu namorado no Rio de Janeiro.

A bem da verdade, esta última parte quem fazia, mesmo, era eu. Sim, porque você era aquilo que se costumava chamar de analfabeta de pai e mãe. Era eu, com minha letra infantil de garoto de 11 anos, quem escrevia sobre o seu cotidiano na Capital Federal, trabalhando em casa de família e juntando seu dinheirinho para ir para o Rio se casar com o Manuel.

Também não sei se você se lembra, mas era no seu minúsculo quartinho que nos divertíamos ao som dos seus cantores favoritos: Carlos Alexandre e Sidney Magal.

Você nunca foi de ficar chorando dores de amores ao som de Fernando Mendes ou de Paulo Sérgio. Melhor esquecer da chatice da labuta ao som da Ciganinha ou da Cigana Sandra Rosa Madalena. Ou então sentir-se A Feiticeira ou uma daquelas loucas Frenéticas - outra paixão sua.

E, pensando bem, eu te devo algo do meu gosto por música. Foi no apartamento de seus patrões, quando eles estavam fora, que eu ouvi pela primeira vez um disco inteiro de Simon & Garfunkel (um gravado ao vivo no Central Park, se não me engano) e um de Elton John (uma coletânea daquelas que se faziam especialmente para o mercado nacional e que continha Skyline Pigeon, uma música que me transportava para muito, muito longe).

Pois é, querida. Não sei se você se casou mesmo com o Manuel, se tiveram filhos, se aprendeu a ler e se ainda se alegra quando ouve O Meu Sangue Ferve Por Você.

O que eu sei é que muitos daqueles momentos que vivi com você, em minha infância, jamais se apagarão da memória: nem o poster do Roberto na parede, nem a primeira novela mexicana na telinha, nem o seu sorriso largo e expansivo.

Um beijo grande!

Sua, Dora.

9 comentários:

Afonso C. disse...

Obrigado, Luis, mas esta postagem é um presente. E para mim. Obrigado.

Luciano Azevedo disse...

Luis,
fiquem impressionado com a riqueza musical do seu blog. Sei que vou ter um trabalho enorme para explorá-lo, mas vou aproveitar cada post. Também sou amante da música, do cinema, do teatro, enfim, artes em geral. Recentemente, tive vontade de encontrar alguns vinis que acompanharam minha adolescência: Legião Urbana, Guns N´Roses, U2, entre outros. Vou vasculhar os sebos de Recife. Valeu a visita e estou seguindo seu blog. Abço

David ®... disse...

lindo post

Fábio disse...

Olá gostaria de convidá-lo a conhecer meu trabalho através do blog Ecos do Teleco Teço (WWW.ECOSDOTELECOTECO.BLOGSPOT.COM) . Grande abraço e sucesso com sua proposta !! Axé

Anônimo disse...

acabo de acessar mais uma vez o "blog" e, cada vez mais impressionado com a qualidade dos textos, confesso ter ficado emocionado com esta postagem. realmente, muito carinhosa a homenagem. antes de ir, uma constatação: a inclusão de "playlists" no "blog" tem me "obrigado" a pelo menos duas visitas. uma, para lê-lo, e outra para apreciar os vídeos musicais selecionados. o material musical está divino.

Lázaro Luis Lucas
Brasília-DF

Robson disse...

Caro Luis,
fiquei encantado com esta sua vitrola do passado, eu também tive minha fase "Dora" de ser, o que me trouxe grandes recordações e não pude resistir, escrevi um post tomando como base a sua ideia, não entenda como um plágio, e sim, como uma homenagem a quem escreve tão bem.

Parabéns
Robson

Luis Valcácio disse...

Grande Robson, estava sentindo sua falta por aqui! Obrigado pela "homenagem" e já vou lá no canto do calado conferir.
Abraço.

Nirton Venancio disse...

Luis, esse texto é maravilhoso! Li e reli.

Blog do Bob disse...

Cara, você é de uma sensibilidade... preciosa postagem!
Quisera Noemia encontrasse Dora...
Quem sabe a cigana Sandra Rosa Madalena interfere para a realização deste encontro.
Um abraço.