segunda-feira, 25 de maio de 2009

Meus Discos Preferidos: Anos Noventa

1Ok Computer Radiohead (1997)
A trilha sonora perfeita para os gélidos anos 90, este disco é uma espécie de Dark Side Of The Moon, atualizado para a geração internet. Radiografia precisa de um mundo tecnológico e impessoal, Ok Computer preserva seu status de obra-prima da década por aliar experimentação musical com uma habilidade invejável para gerar grandes canções (os dois melhores exemplos são Karma Police e Lucky).

2 Odelay Beck (1996)
Um artista que representa o lado mais ousado e criativo de uma década em que as fronteiras que separavam estilos musicais foram para o espaço, Beck teve seu ápice no seu segundo registro em estúdio. Odelay é um disco em que rock, hip hop, country, blues e eletrônica convivem em perfeita harmonia.

3 NevermindNirvana (1991)
Talvez este seja o disco mais influente feito nas últimas duas décadas e, ao que parece, seu espectro não dá mostras de desaparecer tão cedo. É um daqueles casos raros em que sucesso de vendagem vem de mãos dadas com uma qualidade artística imensa. Smells Like Teen Spirit, Come As You Are, Polly e Lithium são polaroids de um tempo no qual o mundo inteiro passou a viver em Seattle. Vestindo camisa xadrez e calça jeans surrada, é claro.

4 XOElliott Smith (1998)
Uma perda menos sentida que a de Kurt Cobain, mas igualmente triste, o suicídio desse brilhante cantor e compositor americano, interrompeu uma carreira que apenas começava a decolar, com este lindíssimo trabalho de 1998. Smith cantava com o coração vibrando em suas cordas vocais. As canções deste disco são pequenos contos de desesperança e solidão, que revelam uma delicadeza e uma fragilidade que não poderiam resistir durante muito tempo mesmo...

5 Car Wheels On A Gravel Road Lucinda Williams (1998)
Muito rock para o público country e muito country para o público roqueiro, Lucinda Williams vinha de uma longa carreira de belos discos e pouca – ou nenhuma – repercussão, quando lançou essa maravilha chamada Car Wheels On A Gravel Road. O mundo descobriu, então, uma compositora incrível, que sabia falar das dores do coração, do aconchego do lar, da vida na estrada e da felicidade de se tocar uma guitarra, sem nunca desandar para o piegas.

6Début Bjork (1993)
Uma artista que dominou toda a década de 90, sem jamais cair na repetição ou auto-indulgência, Bjork é um desses milagres artísticos que conseguem nos surpreender, mesmo quando tudo parece estar perdido. Début é seu disco mais apaixonante porque preserva uma certa ingenuidade. É como se este pequeno duende islandês estivesse brincando de fazer música. Só que o resultado é uma musicalidade madura e altamente elaborada, que se revela nos pequenos detalhes de Human Behavior, Aeroplane e Venus as a Boy.

7TenPearl Jam (1991)
Um monstro que fundiu no seu corpo o heavy rock da década de 70, a intensidade do levante punk e o rock clássico de artistas como Bruce Springsteen, o Pear Jam já começou sua carreira de forma superlativa, vendendo horrores e arrastando multidões para seus shows. No coração dessa avalanche encontra-se a supremacia de canções como Black, Even Flow e Alive. Qualidade e perfeição que a banda jamais conseguiria superar.

8 DryPJ Harvey (1992)
Um som cerebral, pesado e inteligente era a arma principal da inglesa Polly Jean Harvey para se diferenciar de suas colegas em meio a maior invasão feminina que o rock já viu. Se, até a década de 80, mulheres eram ainda artigo esparso no reino das guitarras, os anos 90 viram esse panorama mudar radicalmente. PJ estabeleceu o padrão pelo qual todas as garotas que queriam fazer música teriam que se guiar. Só na década passada, gravou três discos imprescindíveis. E segue com sua criatividade intacta e cada vez mais ativa.

9 BandwagonesqueTeenage Fanclub (1991)
Mestres em criar melodias doces e grudentas, esses rapazes escoceses foram uma espécie de bálsamo, numa época em que as guitarras barulhentas voltaram a imperar. Fundindo influências que iam do power pop do Big Star até as harmonias gloriosas do The Byrds, o Teenage construiu uma carreira que, mesmo sem conseguir repetir o sucesso deste Bandwagonesque, se manteria coerente na sua proposta de fazer música simples e, em seus momentos mais inspirados, inesquecível.

10 The Soft BulletinThe Flaming Lips (1999)
O disco mais viajante da década, The Soft Bulletin tirou o Flaming Lips do anonimato e marcou indelevelmente a vida de todos que se aventuraram neste álbum mezzo conceitual, mezzo rock independente. Criando um universo à parte em que uma colherzinha pesa uma tonelada e o super-homem está cansado de salvar a Terra, o vocalista Wayne Coyne e seus asseclas forjaram uma obra-prima psicodélica, pomposamente orquestrada e poeticamente instigante.

4 comentários:

Robson disse...

Aí Luís, o trabalhão deve ter voltado, nos anos 90 a criatividade musical voltou a tona, enterrando de vez os 80, polêmicas a parte, vejo que seu gosto musical é afinadíssimo, da lista, Radiohead, Beck (genial), Nirvana, Bjork (ótima, você assistiu "Dançando no escuro"? ela está excelente, roubando a cena até da maravilhosa e eterna Catherine Deneuve), Pearl Jam e pj Harvey (outra ótima) fazem parte da elite dos 90, os outros não conheço muito e um o Elliot Smith nunca tinha ouvido falar, fiquei curioso, vou pesquisar, mas pra não perder o costume, vou dar meu pitaco, "Flame Job" - The Cramps, rock vigoroso, rápido e incendiário e "The Boy with the arab strap" do Belle & Sebastian que junto com o Radiohead são a cara dos anos 90.
Já que as listas estão aí, lanço um desafio, que tal fazer uma lista dos dez mais entre as quatro listas apresentadas?

Quanto ao "Sandinista" foi sim o album triplo do The Clash no início dos anos 80, o rock lançando tendências, prenúncio de uma decada criativa que não se concretizou (há controvérsias), merece ser escutado muitas vezes.

Abraços
Robson Calado

Luis Valcácio disse...

Robson, seus comentários são sempre muito precisos e bem-vindos. É legal saber do gosto de outras pessoas e vejo que o seu é classe A.
Quanto a seus "pitacos", só posso dizer que The Boy With The Arab Strap ficou brigando com o Bandwagonesque para ver quem entrava. Na última hora optei pelo disco do Teenage Fanclub porque este foi um álbum que eu comprei em vinil e portanto tenho uma ligacão mais afetiva com ele. O Cramps é uma grande falha na minha colecão. Não tenho nada dos caras, mas está numa lista de aquisicões (que nunca para de crescer...). Em relacão ao seu desafio, estou planejando ainda uma lista dos anos 2000, de música brasileira e de black. Ou seja, tem muito pano para manga...

jabo disse...

Olá, ótimo post. Excelente texto.

E engraçado... eu escolheria quase os mesmos discos.

Só colocaria um do Sebadoh e um do Pixies.

Parabéns

Luis Valcácio disse...

Sim, Pixies poderia entrar com Bossanova, que é um discão, agora Sebadoh eu não tenho nada. O que vc indica para um iniciante?