quarta-feira, 13 de maio de 2009

Meus Discos Preferidos: Anos Setenta

1 Dark Side Of The MoonPink Floyd (1973)
Para mim, este disco é uma espécie de totem, um oráculo sagrado ao qual eu sempre recorro. Viajante, progressivo sem ser tedioso, poético e perfeito em sua concepção musical, Dark Side é uma longa ode ao ex-vocalista do Floyd, Syd Barrett, àquelas alturas já perdido para o mundo e habitando um universo completamente à parte.
2Led Zeppelin IIILed Zeppelin (1970)
É muito difícil escolher entre os 4 primeiros discos do Zeppelin. São todos perfeitos e é incrível perceber a evolução do grupo desde o heavy blues do primeiro trabalho até a maturidade musical alcançada em 1971, com o emblemático quarto álbum. Mas o meu preferido segue sendo o terceiro. Talvez, porque seja o menos pesado. Talvez, porque tenha Since I´ve Been Loving You . Não sei, mas o fato é que toda vez que penso em ouvir Zeppelin , corro para o III.
3 The Rise And Fall Of Ziggy Stardust And The Spiders From Mars David Bowie (1972)
O mais genial artista da década de 70 passou por várias fases: foi folk no primeiro disco, hard no segundo, inclassificável no ótimo Hunky Dory e, finalmente, um mutante alienígena travestido de rock star em seu quarto e melhor álbum, Ziggy Stardust. Auge da estética glam, o disco alinhava 11 canções matadoras, que tornaram Bowie um super-astro na Inglaterra e, cumprindo as profecias de Ziggy, um mito do rock.
4London CallingThe Clash (1979)
A antítese da pompa e da pretensão de grande parte dos artistas da década, o The Clash era uma metralhadora de criatividade, cuspindo uma variedade de estilos que iam da mais pura explosão punk ao reggae e ao rockabilly. London Calling é o auge de sua estética suja e politizada. Intenso demais para durar, o grupo sucumbiria a divergências internas e ao declínio do ideário punk. Mas a sua marca já estava registrada na história do rock.
5 HorsesPatti Smith (1975)
Espécie de mãe espiritual de todos os rebeldes que surgiram na segunda metade da década, Patti tinha experimentado outras linguagens artísticas antes de lançar seu primeiro e mais importante disco. Horses combina à perfeição suas ambições poéticas com a urgência musical de sua banda. Sem falar que Smith canta muito. Um disco para escutar com a sensibilidade à flor da pele.
6 Harvest Neil Young (1972)
O gênio de Young já dava mostras de seu alto poder desde a década de 60, mas seu auge se encontra, realmente, na primeira metade da década seguinte. Harvest é seu disco mais bem-sucedido comercialmente, e uma pérola de delicadeza e de sutis revelações que vão nos envolvendo e apaixonando a cada faixa. Tão marcante, que Young faria duas continuações: Harvest Moon, em 1992, e Prairie Wind,em 2005.
7 Burnin’ Bob Marley And The Wailers (1973)
Um grande feito: um artista de terceiro mundo alcança êxito mundial e se converte numa influência fundamental para toda a música pop que se faria a partir daí. Burnin’ captura Marley e sua ótima banda em estado bruto, entoando canções que são como uma espécie de canto religioso, tocado num ritmo lento e cadenciado. Isso sem falar na forte mensagem política. Grande disco.
8 Born To RunBruce Springsteen (1975)
Quando lançou este disco, em 1975, Springsteen era apenas um aspirante a astro, entre tantos nos Estados Unidos. Mas Born to Run o tornou não apenas um astro, mas também uma lenda, o cara simples e batalhador que conhece de perto o outro lado do “sonho americano”. Para alguns críticos mais severos, Bruce não passa de um Dylan requentado, mas a verdade é que a paixão e a sinceridade que encontramos em cada uma de suas canções, o credenciam como um artista de mérito próprio.
9Marquee MoonTelevision (1977)
O punk como obra de arte bem acabada. Por mais paradoxal que possa parecer, o Television conseguiu isso com sua obra-prima, Marquee Moon, um disco que preserva a energia bruta das ruas típica do punk, acrescentando a sofisticação instrumental dos guitarristas Tom Verlaine e Richard Lloyd.
10 Goodbye Yellow Brick RoadElton John (1973)
O lado mais triste e melancólico da década encontra neste álbum duplo extraordinário seu exemplo mais perfeito. Melodias grudentas em canções que só podem ser comparadas com as de outros gênios pop, como os Beatles e os Beach Boys.

5 comentários:

Walkyria Suleiman disse...

Poxa , concordo com muitas das suas predileções, e tenho os vinis aqui em casa. Nunca consegui me desfazer, e minha Tecnics ainda esá à toda. Qqr hora te mando alguns prediletos meus, e a gente se diverte. Venha fazer uma visita no meu blog, e vá na aba da direita, trilha sonora e visual. Abraços da Walll
http://walkyria-suleiman.blogspot.com/

Anônimo disse...

Aí cara, gostei um bocado do teu blog, descobri através do Noblat, também sou um apaixonado pela música e colecionador tanto de vinil, quanto de cd (será o fim mesmo?), pelo que você falou e por ter alguns anos de estrada a mais que você, tenho uma coleção um pouco maior e por insistência de amigos, também criei um blog (cantodocalado.blogspot.com) para comentar os meus discos e afinidades, não tenho a mesma fluência que você, um dia chego lá, mas acho que traçamos um mesmo caminho, pra mim tá servindo como uma maneira de desopilar um pouco do stress do dia a dia, sem nenhuma pretenção de nada.

Quanto a relação dos dez mais dos setenta, deve ter sido difícil, afinal uma decada tão profícua musicalmente não é fácil escolher apenas dez, concordo com eles, tenho quase todos, menos o Television e o Marley, mas, onde ficam o Aladdin Sane e Diamond Dogs, Exile on main street e It's only Rock and Roll, Brain Salad Sugery, Journey to the center of the Earth, Close to the Edge, Quadrophenia, Physical Graffiti, Rock'n'Roll Animal e Lou Reed Live, Mind Games, Before the Flood, Songs in the key of Life, Fruto Proibido, Gita e tantos outros.

Abraços
Robson Calado

Luis Valcácio disse...

Pois é, pessoal escolher dez discos na minha década preferida foi uma suadeira danada. Toda hora, vinha um disco incrível a mente, mas eu sabia que não podia dar muita asa a imaginação senão ficaria perdido. Adoro discos como Sticky Fingers e Exile On Main St. dos Stones, mas acho que a grande contribuição dos Stones está mesmo nos anos 60, então acabei não colocando nada deles e por aí, a coisa foi. Foi meio que um critério só citar artistas que não tinham entrado na minha seleção dos anos 60. Mas é claro que muitos dos discos que o Robson cita são fantásticos (alguns eu não conheço)e talvez um dia ganhem um espaço aqui. Um disco que, por exemplo, eu esqueci nos anos 60 foi o Astral Weeks do Van Morrison, que é um dos meus preferidos de todos os tempos. Soube que ele lançou recentemente uma gravação ao vivo desse trabalho. Aguardo ansioso pelo lançamento aqui no Brasil.
No mais, obrigado pelas dicas e espero encontrá-los sempre por aqui (ou no blog de vcs, que vou conhecer rapidinho)

Angelique disse...

Bom Dia!Primeiro agradeço a sua visita ao meu blog, se não fosse isto, não estaria conhecendo o seu "incrível mundo da musica pop". Não sou muito versada no assunto mas uma coisa eu sei: tenho bom gosto pois muitos dos clássicos que vc apresenta aqui eu tenho em casa e curto de montão! Um forte abraço! Teu blog é muito bom

Luis Valcácio disse...

Obrigado Angelique. É sempre legal saber que tem gente inteligente e de bom gosto circulando por aqui. Vamos difundir boa música pelo mundo, falar sobre cinema, literatura e arte. Acho, sinceramente, que isso pode nos tornar pessoas melhores... Grande abraco