quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Breves Notas Francesas

Por Lázaro Luis Lucas

1- Finalmente em DVD um dos filmes mais cultuados dos anos 70. Dirigido e escrito pelo poeta e cantor Serge Gainsbourg e estrelado por sua companheira Jane Birkin, Paixão Selvagem, produção cinematográfica de 1976, narra a história de Johnny, garçonete de aspecto andrógino que ganha a vida servindo o balcão de uma lanchonete em um desolador posto de gasolina.

Solitária e carente, envolve-se com o caminhoneiro homossexual Krassky, que a confunde, inicialmente, com um rapaz. Há, ainda, o inseguro e violento Padovan, amante de Krassky.

Inspirado na canção Je T'aime... Moi Non Plus, também de Serge Gainsburg, o filme e seus personagens parecem transitar em um episódio da série Além da Imaginação. Tudo soa irreal demais em Paixão Selvagem.

De forte apelo sexual, o filme ainda traz no elenco os atores Joe Dallesandro, Hughes Quester, Gerárd Depardieu e Michel Blanc.

A propósito, fãs do casal Gainsbourg-Birkin devem ficar atentos à programação do canal Eurochannel. Neste mês de outubro, o canal exibe o longa Slogan (1969), de Pierre Grimblat, filme que uniu artística e afetivamente esses dois ícones da cultura francesa dos anos pós-60. Com 90 minutos de duração, o filme será exibido nos dias 17, às 16h, e 18, às 02h.

2- E por falar em programação televisiva, duas agradáveis surpresas para os amantes do cinema francês são os canais Futura e Brasil, neste mês de outubro.

No canal Futura, a sessão Cine Conhecimento irá exibir, entre outros, obras consagradas do cineasta François Truffaut. Nos dias 09, 10 e 11, Os Incompreendidos (1959). 16, 17 e 18, O Amor em Fuga (1979). 23, 24 e 25, De Repente, Num Domingo (1983). Consta, ainda, do acervo do Cine Conhecimento, a obra A Mulher do Lado (1981). O primeiro e segundo filme aqui citados são, respectivamente, o primeiro e o quinto produzidos por Truffaut com o personagem Antoine Doinel, interpretado magnificamente pelo ator Jean-Pierre Léaud. Os outros filmes com o personagem são Antoine e Colette (1963), Beijos Proibidos (1968) e Domicílio Conjugal (1970). Já De Repente, Num Domingo é a obra que encerra a filmografia deste grande diretor francês - Truffaut viria a falecer em 1984 - e também uma homenagem ao cinema de Alfred Hitchcock, de quem era fã confesso. Fico aqui, devendo apenas os horários.

3- No Canal Brasil, haverá a apresentação do ciclo Um Certo Olhar Francês. Nos dias 10 (00h45 e 18h) e 11 (07h30), Acossado (1959), de Jean-Luc Godard. 17 (00h45 e 18h) e 18 (07h30), Estado de Sítio (1972), de Costa-Gravas. Nos dias 24 (00h45 e 18h) e 25 (07h30), Ascensor Para o Cadafalso (1958), de Louis Malle. E nos dias 31/10 (00h45 e 18h) e 01/11 (07h30), o pouco conhecido no Brasil A Garota dos Olhos de Ouro (1961), de Jean-Gabriel Albicocco. O ciclo segue no mês de novembro.

4- Uma boa dica para quem está interessado em conhecer o cinema do francês Eric Rohmer, de maneira leve e descompromissada, é a série de quatro filmes intitulada Os Contos das Quatro Estações. Composta por Conto da Primavera (1990), Conto de Inverno (1992), Conto de Verão (1996) e Conto de Outono (1998), a série é um primor em simplicidade e elegância.

Histórias de homens e mulheres, encontros e desencontros. O mote de Os Contos das Quatros Estações é o cotidiano sem grandes sobressaltos e os pequenos prazeres da vida, em torno dos amigos, da família e daqueles que desejamos. Simples assim.

6 comentários:

Graça Pereira disse...

Como vai a tua música?
Passei para te desejar um bom fds.
Um beijo.
Graça

Arsênico disse...

Ai... Quero ver... parece muito bom...

umBeijo!

***

Norberto Marques disse...

Olá Luis :)

Desejo-te um bom domingo.

Um abraço........Norberto

Blog do Bob disse...

Excelente o material apontado por Lázaro Luiz Lucas, bem como muito pertinente os comentários que ele faz sobre o mesmo.
Paixão Selvagem, finalmente lançado em DVD me marcou muito na década de 70, quando então estava na adolescência. Apesar da dureza, crueza, do filme, ele apontava, para o então jovem da época, o universo da diversidade, e das possibilidades que pulsam por detrás das aparências.
É isto aí, meu caro Lázaro, continue iluminado-nos.
Um abraço,
Bob.

Antonio Jr disse...

Olá amigos, gostaria de obter algum contato do Lázaro Luiz Lucas, amigo querido que fiz em Ilhéus-BA nos anos de 2000-2001. Infelizmente perdemos contato. Hoje vivo no ES, Vila Velha, e não me esqueço de sua elegäncia, educação, polidez, formação humanista, visão de mundo e cultura inigualável. Lázaro é um ídolo pra mim, e contribuiu muito para que eu me tornasse um ser humano melhor. Meu nome é Antonio Jr. professor_antonio@hotmail.com

Jorge Alessandro disse...

Filio-me aos fãs de Paixão selvagem e daquele que mo apresentou com fascínio contagiante, Lázaro Luis Lucas, triplamente L, sensível e humano.

Em Ilheus, a saudade transborda.
Jorge Alessandro