sexta-feira, 11 de setembro de 2009

A Fita K7 Perfeita

Dia 11 de setembro não é apenas o aniversário da queda das Torres Gêmeas em NYC. Muita gente legal nasceu neste dia, incluindo este que vos escreve (quase sucumbi ao clichê das "mal-traçadas linhas").

Falo disso porque quando eu era garoto costumava presentear a mim e a meus amigos com as inesquecíveis mix tapes, fitas de áudio virgem, nas quais fazíamos uma seleção das melhores músicas de cada disco.

Daí era só colocar no gravador, apertar o play e deixar a turma se impressionar com o seu bom gosto musical. Ou não. Algumas seleções ficavam um horror, aquelas onde Madonna é seguida de Gilliard e daí por diante.

Hoje o "povo muderno" faz playlists que podem ser gravadas em formato de MP3, o que pode condensar numa única mídia, digamos, umas 6 fitinhas cassete fácil, fácil.

Mas quem tem mais de 30, deve se lembrar do verdadeiro artesanato que era montar uma K7 perfeita.

Primeiro o drama da sincronização do disco com o gravador. Se a tecla rec era apertada muito antes, a música vinha precedida daquele chiado característico do vinil. Péssimo. Se depois do início da música, esta já começava amputada. Pior ainda. Era necessário muita prática e precisão para que cada música fosse sucedida por outra sem maiores pausas. Uma arte para poucos.

Depois tinha o problema da duração de cada lado da fita. Normalmente elas vinham com 30 e 30 minutos. Havia umas fitas de 45/45, mas essas enrolavam no gravador e causavam danos irreparáveis a nossa boa-vontade. Conseguir chegar ao número de músicas que preenchesse perfeitamente os trinta minutos de cada lado era uma suadeira.

Last but no least, vinha a própria disposição das músicas: qual fica melhor em tal lugar? Depois daquele clássico inesquecível que música deve entrar e assim por diante.

Gravei milhares dessas coisinhas deliciosas e quase todo mundo que me conhece já ganhou uma de presente. Se foram direito para a lata do lixo, sem escala nos gravadores, é um mistério que eu jamais saberei solucionar. Melhor viver na ignorância.

O que importava mesmo era o ato de fazê-las, criar uma capinha para cada, viajar na maoinese sem piedade.

Então vou fingir que não existe ipod, nem download, nem playlist e vou me transportar a um tempo em que o máximo era ter um walkman Sony e uma super discoteca em casa:

Mix Tape "Pessoas brilhantes e felizes"

Lado A:
1- Shining Happy People - R.E.M.
2- Wake me Up Before You Go Go - Wham
3
- Karma Chameleon - Culture Club
4
- Let's Dance - David Bowie
5- Girls Just Wanna Have Fun - Cyndi Lauper
6- Material Girl - Madonna
7- Just Can't Get Enough - Depeche Mode
8- Don't Go - Yazoo

Lado B:
1- Você Não Soube Me Amar - Blitz
2
- Perdidos Na Selva - Gang 90 e as Absurdetes
3- Beat Acelerado - Metrô
4
- Ursinho Blau Blau - Absynto
5
- Pintura Íntima - Kid Abelha
6
- Vamos Abrir a Roda - Sara Jane
7
- Ilariê - Xuxa
8- Cinema Mudo - Paralamas do Sucesso

9 comentários:

Maringa disse...

Parabéns aí o/
Não sou dessa época, mas por uns tempos eu não tinha gravador de CD nem de DVD aqui no meu computador. Escutava músicas na FM mesmo, ou então de CD's, e gravava nas fitinhas. Processo bem artesanal mesmo, que deixou saudades..

abração

Multiolhares disse...

É verdade como me lembro bem dessas cassetes e os discos de vinil ainda tenho uma colecção cá em casa, meu Deus como o tempo tem evoluído
Beijo

Lázaro Luis Lucas disse...

"Gravei milhares dessas coisinhas deliciosas e quase todo mundo que me conhece já ganhou uma de presente". Prezado sr. Luis Valcácio, sabe o que Jane Tennison teria dito sobre isto, não sabe? Pois é, para 2010 e todos os demais anos que virão, aguardarei as preciosas "coisinhas deliciosas". Francamente! À propósito, um feliz aniversário e um própero ano novo.

Graça Pereira disse...

Tambem eu adoro música, mas vou confessar-te uma coisa: tenho mais cd do que tu !!! Verdadinha. Música de todo o mundo.Faço uma selecção "apetitosa" para cada um deles e é uma maravilha. Ainda bem que encontrei outro louco. Um abração Graça

Luis Valcácio disse...

Lázaro, francamente digo eu! Acho que vc deve ter sido um daqueles amigos ingratos que relegaram minhas maravilhosas fitinhas ao esquecimento. Lembro-me de, ao menos, 3 que eu te dei. Isso sem falar em seleções feitas já na época do cd (lembra de 3 cds com clássicos dos anos 80?).

Luis Valcácio disse...

Graça, fico feliz em saber que eu não sou o único maluco por música e discos. Fazer esse blog tem sido ótimo para entrar em contato com outros maníacos. De qualquer maneira, tem um cara lá no Recife, o Robson (entra no blog dele: cantodocalado.blogspot.com) que deve bater nós dois juntos.
Grande abraço.

Luísa disse...

Parabéns atrasados!
Beeeeeeeeeeeeeeeeeeem! claro que me lembro dessas k7 e da forma como as trocavamos com os amigos!
Do preciosismo nas gravações e do gosto em divulgar o que fazíamos!
E hoje? terão os downloads o mesmo sabor das nossas gravações?
fica a pergunta no ar...
As novas gerações vivem tudo tão ápido que não têm tempo de sentir as coisas.
Beijinho terno!

Robson disse...

Aí Luís, primeiro de tudo parabéns atrasado, esse Bin Laden hein? conheço um americano que nunca mais comemorou aniversário depois daquele fatídico dia.
Quanto as fitas cassetes, encontrei outra semelhança nossa, também cansei de fazer e com a mesma preocupação que você descreveu, mas confesso que ao terminar, a satisfação era enorme, e modéstia a parte, ficavam muito boas, como não aguentava as rádios, era o som que curtia no carro, ainda preservo elas até hoje como recordação.
A seleção da fita tá perfeita, só pularia a Xuxa, essa é dificil de aguentar.
Valeu pela indicação do blog.
Um grande abraço

Luis Valcácio disse...

Valeu, amigos!
Ah, Robson, a Xuxa tá na fitinha de pura sacanagem...